Clique aqui

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Vivendo Para Servir.




Link do video: http://www.youtube.com/watch?v=O9pSsGeVAOE


Corrente de Preces:


Nome: Matheus Agostinho da Silva
Dificuldade: obsessão espiritual



Nome: Fernando Hiroshi Onaka Alves de Meira

Dificuldade: vencer vício




      Olá meus amigos,feliz escrevo mais esta mensagem e deixo um video que editei com uma linda canção que diz muito pra mim,que possamos orar pelos nomes da corrente de preces desta semana,5 a 10 minutos diários e sintamos a alegria de servir.
     Nada pode ser mais bonito,mais intenso do que a emoção de sentir o amor queimar o seu coração,de sentir a sua vida como uma melodia a lhe tocar o ser de tal forma que você não será nunca mais o mesmo,em seu olhar existirá uma verdade unica,em seus passos  luzes o seguirão e seus caminhos serão floridos por tudo que és.Sintamos o amor nos invadir,como é bonito esta sensação,liberemos toda esta luz adormecida em nós,a nossa destinação é a felicidade,é a perfeição! 
      A alegria de ser cristão é unica,é a mesma de se sentir feliz por amar alguém que você sabe que nada importa a não ser a felicidade desta pessoa,que você daria até a vida por esta pessoa.Isto é amar em liberdade,nos sensibilizamos com a criação,retribuamos as graças de Deus,agradeçamos sempre ainda que tudo se faça difícil,esta tempestade lhe trara lições valiosas e permitira que evoluas mas rápido,logo um dia de Sol vai raiar desde que não desistas.
      Nosso espirito tem o poder sobre nosso corpo,que possamos dominar nosso lado inferior,nossos instintos.Nos temos este poder por meio do evangelho e de Jesus.Oremos e vigiemos sempre,certos da vitoria,certos dos recomeços a cada amanhecer e que possamos amar as diferenças e trabalhar para o bem comum.
      Quando sentires seu coração queimar pelo amor divino a lhe invadir,sentimentos não caberão mais em você e as lágrimas neste instante refletirão a pureza da sua intenção e do seu amor.Sua sensibilidade se fará tão presente que será sentida em todos os momentos,será uma poesia viver,uma luz a seguir contigo.
      Não tenha vergonha de mostrar seu sentimento,chore se preciso for,libere seu sentir e assim despertaremos aos poucos a criança adormecida em nós e descobriremos o Deus em nós.O mundo precisa tanto disto.
       Deus esta dentro de nós,quando nos tornarmos um só com ele,perceberemos como é grandioso as potencialidades de nossos espíritos,por meio da fé que faz o impossível ocorrer.Entendamos os que ainda não acordarão para esta verdade,pois triste é o sofrer daqueles que negam seus compromissos espirituais em vida,oremos e perdoemos,pois também já precisamos disto.Como é bonito aqueles que manter em seu dia,a mesma emoção de ouvir uma canção e por instantes perceber a sublimidade da divindade em tudo.
       Tornemos isto um habito,assim a cura virá ao conversares com Deus e o senti-lo,fazendo da vida uma melodia sem fim.Terás então a partir desta presença,a sede de amar,de justiça e de caridade.Não conseguiras se calar nem ficar preso a preguiça.Iras querer fazer a diferença ao fazer sua parte neste mundo e assim como uma flor que desabrocha algo renascera em seu ser,a sua luz sera vista como uma estrela que brilha em meio a escuridão,aquecendo a quem em sua presença esteja.A suave brisa a tocar seu rosto assim como uma melodia angelical lhe trara as respostas e as energias sublimes em meio ao caminho.
       Amanhecerá em sua vida,o trabalho será seu principal consolo e o fará feliz ao servir em favor de todos.Com um sorriso lindo seu olhar terá um brilho diferentes,a marca profundamente os corações daqueles que precisam de sua ajuda.Suas dores e seus medos não existirão mais,tudo aquilo que o aprisionava aos vícios e as ilusões deixarão de existir ao percebes que nestes caminho nunca terás paz,felicidade nem realização plena.
      Que possamos fechar nossos olhos e com muita paz agradecer a Deus,ao mestre Jesus por sempre permanecer ao nosso lado,nos acalmando,nos presenteando com tantas maravilhas em nossos dias ao nos abençoar o caminho com seu amor sublime.Que nosso coração possa sempre se sintonizar com as esferas mais elevadas da criação,que possamos beber desta fonte e reconhecer o quanto precisamos dela para ser feliz.És o único caminho para a verdadeira vida livre de toda dor e de todo medo.
      O sigamos com fé em teu amor,contigo ao nosso lado não há nada o que temer,o senhor que nos prometeu que estaria conosco sempre e com teu ensino nos provou o que é realmente amar.Nos mantenhamos ligados a esta vibração afim de vencer a nos mesmo e sermos a cada amanhecer um novo ser.Assim nos livrando das armadilhas do caminho daqueles espíritos que ainda não entenderam o que é realmente a paz.


Autoria: André G.M

Pessoal meu novo blog é:  http://seuamornasestrelas.blogspot.com.br/
Lembrando que as postagens deste aqui sempre continuarão.










QUESTÃO 919 - O LIVRO DOS ESPÍRITOS


CAPÍTULO XII
DA PERFEIÇÃO MORAL

Conhecimento de si mesmo

919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?

“Um sábio da antigüidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.”

a) - Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?

“Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar. Perguntai ainda mais: “Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?”
“Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado.
“O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual. Mas, direis, como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhosos julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, inquiri como a qualificaríeis, se praticada por outra pessoa. Se a censurais noutrem, não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor, pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca a vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. Perscrute, conseguintemente, a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas; dê balanço no seu dia moral para, a exemplo do comerciante, avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.
“Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços? Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. Ora, esta exatamente a idéia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo, visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro, de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma. Por isso foi que primeiro chamamos a vossa atenção por meio de fenômenos capazes de ferir-vos os sentidos e que agora vos damos instruções, que cada um de vós se acha encarregado de espalhar. Com este objetivo é que ditamos O Livro dos Espíritos.”

SANTO AGOSTINHO










Você já ouviu aquela história da mulher que reuniu a família para dar a notícia de que logo morreria?
Disse ela que fora a dezenas de consultas, realizara muitos exames, conforme solicitações médicas e, por fim, recebera o diagnóstico.
Era portadora de uma moléstia incurável e seu tempo máximo de vida seria de quatro meses.
A família reagiu mal, espantando-se de que ela desse aquela notícia terrível, com tamanha tranquilidade.
Mas, a senhora disse que teria cento e vinte dias para fazer tudo o que desejava.
Arrumaria seus armários, doando tudo que pudesse a alguém servir e jogaria fora o que era imprestável. Ficaria com o estritamente necessário para seu uso.
Trocaria as cortinas das janelas. Elas a impediriam de ficar bisbilhotando a vida alheia.
Tiraria o pó da casa, diariamente e ficaria pensando que devia se libertar de todas as sujeiras que guardara do passado.
Alimentaria sua alma com leituras saudáveis e conversas amenas. Evitaria criticar as pessoas e o mundo.
Perdoaria todas as pessoas que a haviam magoado.
Agradeceria a Deus por sua vida, toda manhã e faria, pelo menos, uma boa ação a cada dia.
Assim, quando partisse para a outra vida, teria, ao menos, cento e vinte boas ações realizadas.
*   *   *
A morte é, com certeza, o que de mais certo há na vida. Ninguém dela foge. Pode demorar, mas dia chegará em que a pessoa abandonará o corpo físico.
Podemos temê-la ou agir como a senhora da nossa história: propor-se a fazer algo de útil e bom.
E é bem possível que nos surpreendamos com a melhoria da qualidade de vida pessoal.
É verdade: quando passamos a pensar e agir no bem, modificamos nossa estrutura psíquica e, consequentemente, a alegria, o bem-estar passam a fazer parte das nossas horas.
E se você deseja saber o que aconteceu com a senhora da história, acredite: ela viveu mais vinte e três anos.
Erro de diagnóstico?
Não! É que ela pensou que estava condenada à morte em pouco tempo e resolveu mudar esse restante de vida que lhe restava.
Ao transformar o seu mundo interior, ao se transformar em uma pessoa totalmente diferente do que fora, curou sua alma.
Consequentemente, curou-se da doença física.
Por isso, se a enfermidade nos visita, aproveitemos para reflexões valiosas em torno do comportamento e da reprogramação das atividades.
Pensemos na saúde e a desejemos ardentemente, sem imposição, sem pressão, mas com nobre intenção.
Libertemo-nos de todo entulho mental, que nos pode intoxicar: mágoas, ódios, ciúmes, vinganças, invejas, amarguras.
Vinculemo-nos a Deus de onde emanam todas as forças e aspiremos os recursos necessários ao reequilíbrio.
Reabasteçamos a mente com pensamentos de paz, de compaixão, de solidariedade, de perdão e de ternura, envolvendo-nos, emocionalmente com a vida, de forma a nos sentirmos nela integrados, conscientes e felizes.
Confiantes, avancemos, vitalizados pelo hálito da fonte geradora de vida, nosso Pai Criador.

Redação do Momento Espírita, com base no texto Quatro meses,
atribuído a Silvia Schmidt e no cap. 18 do livro Momentos de saúde, pelo
Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 21.05.2012.







Abnegação
       
        A evolução espiritual é um fenômeno bastante complexo, que se dá em sucessivas fases.



        No começo, predomina a natureza corpórea.


         Dominada pelos instintos, a criatura dedica seu tempo e seu interesse a atividades comezinhas.


         Comer, vestir-se, abrigar-se, procriar e cuidar da prole, eis a que se resumem suas preocupações.


         Nesse período, o egoísmo é marcante.


         Os instintos de conservação da vida e da preservação da espécie têm absoluta preponderância.


         Com o tempo, o ser começa a desvincular-se de sua origem.


         A inteligência se desenvolve, o raciocínio se sofistica e o senso moral desabrocha.


         As invenções tornam possível gastar tempo com questões não diretamente ligadas à sobrevivência.


         Viver deixa de ser tão difícil, sob o prisma material.


         Em compensação, começam os dilemas morais.


         Com a razão desenvolvida, a responsabilidade surge forte nos caminhos espirituais.


         O que antes era admissível passa a ser um escândalo.


         A sensibilidade se apura e a criatura aspira por realizações intelectuais e afetivas.


         Essa nova sensibilidade também evidencia que o próximo é seu semelhante, com igual direito a ser feliz e realizado.


         Gradualmente se evidencia a igualdade básica entre todos os homens.


         Malgrado possuidores de talentos e valores diversos, não se distinguem no essencial.


         Uma chama divina os anima e a todos conduzirá aos maiores cimos da evolução.


         Contudo, o abandono dos hábitos toscos das primeiras vivências não é fácil.


         Séculos são gastos na árdua tarefa de domar vícios e paixões.


         As encarnações se sucedem enquanto o Espírito luta para ascender.


         O maior entrave para a libertação das experiências dolorosas é o egoísmo, que possui forte vínculo com o apego às coisas corpóreas.


         Quanto mais se aferra aos bens materiais, mais o homem demonstra pouco compreender sua natureza espiritual.


         O Espírito necessita libertar-se do apego a coisas transitórias.


         Apenas assim ele adquire condições de viver as experiências sublimes a que está destinado.


         Quem deseja sair do primitivismo deve combater o gosto pronunciado pelos gozos da matéria.


         O melhor meio para isso é praticar a abnegação.


         Trata-se de uma virtude que se caracteriza pelo desprendimento e pelo desinteresse.


         A ação abnegada importa na superação das tendências egoístas do agente.


         Age-se em benefício de uma causa, pessoa ou princípio, sem visar a qualquer vantagem ou interesse pessoal.


         Certamente não é uma virtude que se adquire a brincar.


         Apenas com disciplina e determinação é que ela se incorpora ao caráter.


         Mas como ninguém fará o trabalho alheio, é preciso principiar em algum momento.


         Comece, pois, a praticar a abnegação.


         Esforce-se em realizar uma série de atitudes com foco no próximo.


         Esqueça a sua personalidade e pense com interesse no bem alheio.


         Esse esforço inicial não tardará a dar frutos.


         O gosto pelo transitório lentamente o abandonará.


         Ele será substituído pelos prazeres espirituais.


         Você descobrirá a ventura de ser bondoso, de amparar os caídos e de ensinar os ignorantes.


         Esses gostos suaves e transcendentes o conduzirão a esferas de sublimes realizações.


         Pense nisso.


Redação do Momento Espírita.
Em 25.02.2008.

Nenhum comentário:

Postar um comentário